Simone Tebet mostra afinidade com a negritude no troféu raça negra!

A senadora Simone Tebet ( MDB), entre a Secretária de Cultura de São Paulo Aline Torres e a Carla Severiano, Presidente do Conselho de Ética das Favelas do Brasil 


Texto escrito por Eunicinha Lourenço

Embora a data nacional da Consciência Negra tenha como o Dia D o 20 de Novembro, quando reverenciamos a morte de nosso símbolo de lutas, conquistas e vitórias, Zumbi dos Palmares, neste ano de 2022, o 21 de novembro, brilhou de forma inimitável. Observo ainda que o 21  também está incluso na semana da Consciência Negra e certamente foi nesta segunda-feira, 21/11, que a negritude brasileira e africana fizeram ecoar mundo afora o seu grito mais alto e emocionante nos três anos de pandemia da Covid 19, que ainda não acabou.

Graça Machel, entre Luiza Trajano e a ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff - Mathilde Missioneiro / Folhapress


Foi um momento de muita alegria para os afro-brasileiros, africanos e negros da diáspora em diversos países do mundo, quando 1388 pessoas negras e sensíveis à causa negra repetiram por diversas vezes o ato de cumprimentar de forma especial, quebrando o protocolo do cerimonial, feito com muita maestria pelo professor, magnífico reitor José Vicente, que disse em alto e bom som, ao lado do prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, o seguinte: "BOA NOITE, ZUMBI DOS PALMARES".

Bruno Santos/Folhapres
A Ex-Presidente do Brasil Dilma Rousseff, entre o Reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, o Dr. José Vicente e a Escritora Paulina Chiziane - Bruno Santos/Folhapres


Os presentes na Sala São Paulo -SP responderam de pronto e de forma forte e uníssona, o que reverberou no Brasil e imediatamente em todo o continente africano  por meio da presença de duas das vinte  e duas homenageadas: As moçambicanas  Graça Machel e Paulina Chiziane. Graça foi a única pessoa no mundo a ser primeira-dama de mais de uma nação. Cônjuge: Samora Machel (C.1975) Nelson Mandela (C. 1998).

O apresentador do evento Troféu Raça Negra, o Jornalista da TV Globo Manoel Soares e o Jornalista Walter Brito, com o livro de sua autoria: " Memórias de uma família negra brasileira"


Graça disse: "Eu quero com toda humildade dedicar esse troféu a todas nós mulheres de nosso tempo, quando vamos assumir de mãos dadas um compromisso para que nossas meninas cresçam em uma pátria de iguais. Que ninguém as magoe, não as discrimine dando-lhes um salário menor que para os homens no desempenho da mesma função, não as trate com desprezo, simplesmente por serem mulheres". A escritora Paulina, como Graça Machel, foi carinhosamente aplaudida com o seu charme de quem ganhou o "Prêmio Camões 2021 e tem em seu curriculum o romance 'Niketche', uma história de poligamia.

A militante da causa negra e das causas sociais, a Sônia Silva, foi uma das oradoras mais aplaudidas no evento do Troféu Raça Negra


Junto com elas foram homenageadas as seguintes mulheres que contribuíram de forma efetiva para a inclusão do negro no Brasil e no Planeta Terra: " Inês Maria Coimbra, Maria Alice Setúbal, Luíza Trajano, Sônia Silva, MC Soffia Gomes, Leci Brandão, Glaucimar Peticov, Neilda Fabiano, Aline Borges, Patrícia Villela,  Duda Ribeiro, Aline Torres, Hélia de Souza (Fofão), Dilma Rousseff, Lu Alckmin, Simone Tebet, Marta Suplicy, Eunice Prudente, Marina Silva e Benedita da Silva".

A MC Soffia, uma das homenageadas  e o Jornalista Walter Brito. Este disputou a eleição para deputado federal em São Paulo em outubro pelo PROS


A reportagem entrevistou duas lideranças da negritude que observaram com muita atenção o grande evento: O jornalista Walter Brito e a militante da causa negra Carla Severiano. Walter é também militante da causa negra desde infante, é autor do livro 'Memórias de uma família negra brasileira',  foi na juventude professor de matemática e é bacharel em Direito pela Universidade Paulista. WB também foi dirigente da Fundação Cultural Palmares de 1991 até 1994.

Ele disse: "Parabenizo o professor, magnífico Reitor José Vicente, pela coragem, competência e audácia, ao colocar a população negra de nosso país no lugar que ela merece, ao realizar um evento grandioso e com todos os detalhes começando pelos brilhantes apresentadores, o meu colega jornalista Manoel Soares e Maria Gal. Ambos foram impecáveis e levaram os mais de mil convidados da 20° edição do Troféu Raça Negra ao delírio.

Nos bastidores do grande evento na Sala São Paulo, o Jornalista Walter Brito, Carla Severiano, Presidente do Conselho de Ética da Favelas do Brasil e o Engenheiro de Curitiba -  PR, o Dr. Sérgio Antônio Rosa


Confesso que chorei quando Graça Machel começou a falar. Lembrei-me na hora da homenagem que fizemos em 1991 ao seu segundo esposo, Nelson Mandela, quando veio ao Brasil pela primeira vez, algum tempo depois de sair do cárcere de 27 anos na África do Sul. À época como diretor da Fundação Palmares e presidente substituto daquela importante instituição, fizemos junto com o então governador negro do Espírito Santo Albuíno Azeredo, uma grande homenagem no Estádio Cariacica com 8 mil pessoas presentes ao evento de Madiba, que à época ainda vivia com sua primeira esposa Winnie. 

No dia seguinte no Palácio Anchieta, após o jantar oferecido a Mandela, fiz meu pronunciamento representando o governo federal, quando presenteamos o líder sul-africano,  com o livro 'Mão Afro', de Emanuel Araújo. Após aquela histórica viagem, Madiba se elegeu presidente da África do Sul. Aproveito a reportagem para dizer que a senadora Simone Tebet falou com muita propriedade sobre a negritude de nosso país. Vale lembrar que em recente entrevista ela disse continuar lutando agora ao lado do presidente Lula, mas que seus 5 milhões de votos mostram que no futuro o país tem tudo para eleger uma mulher, e como somos 56% de afrodescendentes, poderá ser uma mulher negra. Ficou claro no Troféu Raça Negra que a senadora Simone é de fato e de direito uma grande aliada do povo preto.

Outra mulher que brilhou com o seu discurso contundente  e de mulher negra empoderada, foi a administradora de empresas Sônia Silva, primeira aluna da Universidade Zumbi dos Palmares", arrematou Walter Brito.                

Carla Severiano disse: "Com a experiência de ter vivido quase duas décadas em países africanos, inclusive sou mãe de uma africana de 11  anos de idade chamada Kiwara Severiano Muzime. agora como presidente do Conselho de Ética das Favelas do  Brasil, quero render minhas homenagens a toda a equipe que esteve empenhada no belo evento ocorrido na fantástica Sala São Paulo no dia 21/11. O dr. José Vicente foi abençoado inclusive quando mostrou no telão, o presidente eleito Lula da Silva assumindo compromisso com o povo negro. Destaco ainda as falas da Marina da Silva e de nossa senadora e próxima ministra da área social do governo Lula, Simone Tebet (MDB). Ela é certamente a pessoa mais preparada para ajudar a melhorar a vida das favelas de nosso país", concluiu Carla Severiano.

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postagem Anterior Próxima Postagem
BRB