Outubro Rosa: pets também têm câncer de mama

  Fêmeas são as mais afetadas pela doença; castração é principal forma de prevenção

Créditos: Envato

Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) revelou que, no Brasil, de 45% a 50% das fêmeas caninas desenvolvem câncer de mama em algum momento da vida, enquanto 30% das fêmeas felinas do país também são atingidas pelo problema, sendo que cerca de 80% desses casos são diagnosticados como tumores malignos e 20% deles são descobertos tardiamente, dificultando o tratamento e, consequentemente, diminuindo as chances de cura.

Causas e prevenção

Por ser uma doença causada por hormônios relacionados à reprodução, como o estrógeno e a progesterona, esse tipo de câncer tem maior incidência em fêmeas que não foram castradas precocemente - antes do segundo cio - e nas que recebem doses de hormônio, como injeções e/ou comprimidos anticoncepcionais, explica a doutora em Cirurgia Veterinária e professora do curso de Medicina Veterinária da Universidade Positivo (UP), Sabrina Marin Rodigheri. “A castração precoce é a principal forma de prevenção ao câncer de mama nos pets. É recomendado que seja realizada entre o primeiro e o segundo estro do animal, para evitar possíveis problemas de uma castração muito precoce.” A especialista revela que essa falta de castração precoce é o principal motivo para que a doença seja tão comum, pois muitos tutores não têm ciência da importância ou até mesmo não têm condições financeiras para realizar o procedimento em seus pets.

Sabrina aponta que raças como poodle, pastor alemão e dachshund têm uma incidência mais alta da doença. Por isso, é importante ficar ainda mais alerta entre as fêmeas caninas dessas raças. Não há um levantamento oficial da taxa de mortalidade, porém, visto que praticamente 7 em cada 10 casos são tumores malignos, acredita-se que esse número fica entre 25% e 50% dos diagnósticos.

Como identificar?

A médica veterinária recomenda aos tutores palpar as mamas das cadelas e gatas com frequência, principalmente das que não foram castradas precocemente, e se atentar para qualquer mudança na região, como nódulos, caroços, feridas e aumento de volume. “Pode ser tanto um nódulo maior, do tamanho de uma ervilha, ou um bem pequeno, como se fosse um grãozinho de areia por baixo da pele, mas que já pode ser algo”, alerta Sabrina, que explica que, em alguns casos, os pets também podem apresentar sintomas como perda de peso, cansaço e tosse, que pode significar um problema mais sério. “Isso geralmente acontece no caso de uma metástase, que é quando o tumor já se desprendeu da mama e foi para algum outro órgão, principalmente o pulmão. É importante ficar alerta nesses casos, pois a principal causa das mortes por câncer de mama nos pets é a metástase pulmonar.”

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da doença deve ser feito por um médico veterinário, preferencialmente especializado em oncologia veterinária, para que seja o mais preciso possível. “Esse diagnóstico pode ser realizado por uma biópsia aspirativa, para uma avaliação citológica, ou por meio de cirurgia para a retirada do tumor e, posteriormente, a realização de uma avaliação histopatológica a fim de investigar se é maligno”, explica a especialista, que ressalta a importância do médico veterinário na solicitação de exames que busquem uma possível metástase, como a radiografia de tórax, para avaliar o pulmão, e a ecografia de abdômen, para examinar outros órgãos.

A professora explica que o tratamento mais indicado para a doença é a mastectomia, procedimento cirúrgico para realizar a remoção das mamas afetadas, além do pós-operatório, no caso de um tumor mais agressivo. “A extensão e o tipo de cirurgia escolhida depende da avaliação do médico veterinário, que será baseada no número e no tamanho dos tumores. Se confirmado como tumor maligno na avaliação histopatológica, pode ser recomendada a quimioterapia no término do tratamento”, finaliza Sabrina.

 

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, cinco programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/